A obesidade tem sido associada com o diabetes tipo 2 e doença cardiovascular.  Esta situação é associada ao aumento de mediadores inflamatorios circulantes, citoquinas, e alguns outros relacionados  com o desenvolvimento da chamada sindrome metabólica. Assim como a inflamação atinge os órgãos perifericos, postula-se que também acometa o sistema nervoso central, relacionando-se com sintomas similares a ansiedade ou depressão e, ainda, agravando quadros psiquiátricos pré-existentes.

As alterações de humor e cognitivas que ocorrem nos obesos podem refletir as consequencias neurologicas de eventos moleculares e celulares. Estudos indicam mediadores imunes na fisiopatologia de vários distúrbios somáticos que podem alterar as funções cerebrais, assim como afetam os tecidos periféricos. O papel crítico da inflamação no cérebro normal ou anormal pode esclarecer o seu papel na etiologia, progressão e até o tratamento dos sintomas neuropsiquiátricos associados às condições inflamatórias graves, incluindo a obesidade.
A obesidade crônica é caracterizada por hipertensão, doença arterial coronariana, dislipidemia, alteração da tolerância à glicose ligada à hiperinsulinemia e à resistência à insulina, chamados coletivamente de síndrome metabólica. Esta síndrome vem sendo relacionada à distúrbios neurologicos, como os distúrbios neuropsiquiátricos – depressão, ansiedade, alterações cognitivas – derrame, e doença de Alzheimer. Estas condições reduzem a qualidade de vida destas pessoas, aumenta as taxas de morbidade e mortalidade e os custos de saúde em todo o mundo.
Estudos em animais, particularmente com dieta hiperlipídica em ratos, demonstraram um aumento da expressão de marcadores inflamatórios (IL 1, IL 6, COX2 ) induzidos por um potente imunogênico, neste caso, lipopolissacarídeo. Outros estudos com o mesmo modelo de dieta mostrou exacerbação de citoquinas cerebrais (IL1, TNF-alfa), principalmente no hipocampo, que se associa-se à dificuldades cognitivas e de aprendizado. Além disto, registra-se dificuldades na reatividade emocional, memoria espacial, comportamentos ansiosos, depressivos. Os resultados de pesquisas sugerem o papel da inflamação sistêmica e/ou do eixo hipotálamo-pituitário-adrenal mediando alterações emocionais associadas à obesidade/sindrome metabolica. A obesidades em conjunção com fatores ambientais podem amplificar as disfunções do sistema nervoso central e/ou ter consequências nefastas no humor e cognição.  Este quadro psicológico leva a deterioração de comportamentos saudáveis e uma pobre adesão aos tratamentos propostos.
A inflamação causada pela obesidade leva a elevação das citoquinas inflamatórias, o acúmulo de leucócitos no tecido adiposo e em outros órgãos, a ativação de macrófagos no fígado e tecido adiposo e ativação de mecanismos proinflamatórios em múltiplos órgãos, inclusive alteração da microbiota do intestino devido à inflamação decorrente da dieta rica em gordura.
Todo este contexto, também contribui para o surgimento ou agravamento das dores crônicas.
Alimentação saudável é um aliado para o nosso cérebro.
Fonte: Castanon N et al. Neuroinflamação: novos insights sobre funções benéficas e prejudiciais, 2015
O padrão ouro para o tratamento da pele fotoenvelhecida,com rugas faciais induzidas pelo sol, lesões pré-cancerosas, certos canceres de pele, discromias e cicatrizes superficiais é o laser de CO2. O efeito térmico do laser de CO2 é capaz de atuar na derme, estimulando a neocolagenese e melhorando a flacidez facial.
Os equipamentos antigos atuavam de forma eficaz mas promoviam um edema (inchaço) prolongado, eritema, despigmentação e cicatrizes. A re-epitalização durava até 14 dias e o eritema pós-procedimento durava varios meses.
Atualmente, com o surgimento dos lasers de CO2 fracionados, o tratamento tornou-se menos invasivo e a recuperação mais rápida, embora para se atingir os resultados desejados necessitemos de mais sessões com um intervalo medio de 30 dias.
Persistem ainda os riscos de infecção herpética nos portadores de herpes, por isto, nestes casos indica-se o medicamento anti-herpético um dia antes do procedimento até completar de 5 a 7 dias.
O resultado do tratamento com o laser CO2 fracionado depende do grau de fotoenvelhecimento e da hidratação da pele. As avaliações são individuais pois cada um tem uma genética e uma historia de exposição solar. Desta forma, peles mais envelhecidas necessitam de cerca de 4 sessões com intervalos de 1 a 2 meses e peles mais jovens cerca de 2 sessões.
A proteção solar é recomendada em todos os casos, antes do início do tratamento, para garantir um resultado final satisfatório com uma pele uniforme, com menos rugas e pigmentações.
ATENÇÃO! Não recomendo que faça o procedimento antes de viagens para lugares ensolarados ou quando a pessoa tenha um ritmo de vida que exija exposição solar constante ou ainda muito próximo (menos de 30 dias) de eventos importantes (casamentos, aniversários, batizados etc) pois embora o procedimento seja seguro quando seguimos o passo-a-passo do pós-procedimento, infelizmente a medicina não é uma ciência exata. Alguns imprevistos podem ocorrer – infecções, avermelhamento por um prazo maior, erupção acneiforme (pequenas espinhas devido ao uso do filtro solar).
Antes
Atualmente dispomos de tratamentos eficazes para melhorar mesmo a pele bem envelhecida pois podemos contar com a combinação de tratamentos. Hoje vou falar um pouco sobre associação da terapia fotodinamica com o laser não ablativo (luz intensa pulsada). A terapia fotodinamica foi desenvolvida a cerca de 10 anos nos Estados Unidos. O metodo é simples, após a aplicação de um medicamento, aguarda-se um tempo pre-determinado na penumbra para a seguir expor a área tratada a luz de ativação. No Brasil temos dois tipos de medicamentos desenvolvidos a partir do ácido aminolevulínico – o Levulam (+ luz azul) e o Metvix (+ luz vermelha).


Imediatamente após o procedimento

A novidade é que podemos também associar com a Luz Intensa Pulsada para melhorar o resultado do tratamento, removendo tanto as ceratoses actínicas como reduzindo as manchas e as rugas.

Após um mes

Estatísticas indicam que 85% dos adolescentes tem acne em alguma fase deste período no qual os hormonios sexuais atuam nas glandulas sebaceas da pele da face e do tronco. Esta patologia acomete os jovens de forma variada e se manifesta através do aparecimento de comedões (cravos), pústulas (espinhas) e finalmente nodulos.
O tratamento depende da intensidade do quadro clinico, desta forma se a pele apresenta apenas cravos e poucas espinhas, medicamentos de uso local são geralmente suficientes. Contudo, uma percentagem menor de pacientes apresentam também nódulos inflamatorios avermelhados extremamente dolorosos que necessitam medicamentos de uso oral como antibióticos e a isotretinoina. As cicatrizes da acne ocorrem após a cicatrização destes nódulos ou de pústulas grandes que comprometem a estética e a auto-estima.
Dois grupos de cicatrizes podem ser observadas – as distensíveis e as não distensíveis e foram até pouco tempo um grande desafio para a dermatologia. Atualmente, além das microcirurgias, preenchimentos, peelings químicos, dispomos também do tratamento com laser ablativo e não ablativo. O laser CO2 fracionado é um laser ablativo capaz de promover a renovação cutânea, recompondo a pele sobretudo nos casos de cicatrizes distensíveis.
Os tratamentos com vários tipos de luz são estudados há muito anos. Atualmente os mais utilizados são as luzes com comprimentos de onda indicados para o tratamento do fotoenvelhecimento e suas conseqüências – rugas, manchas, ceratoses actínicas, pequenos vasos (telangiectasias). A técnica empregada pode ou não incluir o uso de uma substância fotossensibilizante, o ácido aminolevulínico, medicamento destinado ao uso exclusivamente médico e que potencializa o efeito da luz na pele.

Os equipamentos que são capazes de potencializar os efeitos da luz são chamados de LUZ INTENSA PULSADA. O Spectra Quattro é um destes equipamentos que dispõem de vários filtros com comprimentos de onda de 410nm, 530nm, 560nm, 585nm, 640nm e 690nm. Cada comprimento de onda atua numa estrutura diferente da pele de acordo com o cromóforo alvo. O cromóforo é o pigmento pelo qual o comprimento da luz tem mais afinidade.

As sessões são agradáveis pois é possível resfriar levemente a pele, possibilitando o relaxamento.

Não há necessidade de anestesia.

O fotoenvelhecimento é provocado pelo sol e é responsável por 80% do envelhecimento da pele. Os outros 20% depende de nossa genética. Desta forma, o tratamento com luz intensa pulsada, melhora bastante a pele, embora esta intensidade desta melhora dependa da quantidade de sol que a pessoa se expos ao longo da vida.

A cada ano são desenvolvidas novos equipamentos de laser.

A novidade são os equipamentos ablativos e não ablativos que atuam de forma fracionada, cujo tratamento tem um tempo menor de recuperação e com menores riscos.
O laser CO2 fracionado do momento é o Smartxide DOT que faz pequenos furos térmicos na pele, estimulando o colágeno. Esta ação é controlada tanto em profundidade como em espaçamento pelo dermatologista.
O laser CO2 pode ser utilizado tanto para o rejuvenescimento da pele, como para o tratamento de olheiras, cicatrizes de acne, melasma, além de ser indicado para o tratamento de patologias dermatológicas, tais como – verrugas vulgares, granuloma piogenico, alguns tipos cancer de pele, xantelasma, siringomas, telangiectasias etc.