A temorregulação fisiológica nos humanos tem um papel fundamental tanto na dissipação do calor ( com vasodilatação cutânea e sudorese), quanto na geração de calor (através do tremor) em resposta aos estímulos internos e externos.

O controle da termorregulação é realizado no hipotálamo, na área chamada de pré-optica. Esta área do cérebro recebe informações tanto dos órgãos internos, quanto da pele e, coordena a resposta eferente.
Este trabalho similar a um termostato é tão perfeito que podemos ver através da termografia a simetria da variação de temperatura das mãos com sua distribuição característica em “casca de cebola” onde as pontas dos dedos são mais frias e a medida que avança em direção ao punho, se torna ligeiramente mais quente. O registro do fenômeno é possível com uma temperatura ambiente neutra (cerca de 23 oC). Temperaturas mais quentes ou mais frias promovem reações fisiológicas.
Assim, o fluxo sanguíneo na pele em repouso é aproximadamente 250 mL/min, com uma dissipação de calor entre 80 a 90 kcal/h, que corresponde à produção de calor em repouso.
Durante o exercício ou exposição ao calor, a temperatura na pele aumenta e desencadeia-se o fenômeno da sudorese. Esta reação pode ser modificada também durante o ciclo circadiano e sob influências hormonais.
As fibras nervosas finas são as principais responsáveis pelo controle dos sistemas vasodilatadores e vasoconstrictores, o que altera a temperatura da pele no local afetado, principalmente nos primeiros 10 minutos. Todo o mecanismo de termorregulação é bem complexo, contudo o registro do nosso mapa corporal de termorregulação traz pistas para a investigação de diversas patologias que afetam este controle, como a obesidade, a sindrome metabolica, o diabetes mellitus e, condições que levam à dor persistente.
Fonte: Charkoudian N. Mayo Clin Proc 2003;78: 603-612